Perguntas Mais Frequentes

Instalação

P: Quais são os requisitos para a instalação do QlikView?

Consulte: Requisitos de Sistema para QlikView

Documentos QlikView

P: Quanta memória RAM é necessária? Existe uma forma simples de relacionar os requisitos de RAM ao volume de dados?

A: Não, depende da estrutura e do tipo de dados. Quanto mais linhas de dados houver e quanto maior forem os registros em termos de número de campos, maior será a necessidade de RAM. Se um campo contiver muitos valores distintos, será necessária mais RAM do que quando a quantidade de valores distintos é pequena. Alguns gráficos podem exigir uma grande parcela da RAM ao serem calculados.

 

P: Qual o limite teórico para o tamanho de documento no QlikView?

A: É impossível traduzir esse limite em número de registros (consulte a pergunta anterior). Geralmente, o QlikView usa, durante a execução do script, de 3 a 4 vezes a memória usada ao trabalhar no layout.

 

P: Tenho 2 GB de RAM disponíveis mas, ao abrir o meu documento de 1 GB, é exibida uma mensagem de erro de “Memória excedida”. O que está errado?

A: Cada tabela em um documento QlikView requer a alocação de um bloco contíguo de memória. Se a memória estiver fragmentada, por exemplo, por dll’s carregadas, haverá falha na alocação e será exibida uma mensagem de erro correspondente. Esse comportamento pode variar entre computadores diferentes.

 

P: Qual o tamanho dos documentos que podem ser efetivamente executados no QlikView por usuários reais?

A: Quando o QlikView é executado em um PC com, por exemplo, 512 MB de RAM, é possível manusear alguns milhões de linhas de dados típicos de transações. Em servidores grandes com QlikView e vários gigabytes de RAM, até um bilhão de linhas (nível de detalhe da transação completa sem agregação) são manuseados nos aplicativos do cliente no momento da gravação (essa informação é de sete anos atrás, em maio de 2008).

 

Scripts e Carregamento de Dados

P: É possível usar mais de um comando Binary em um script do QlikView?

A: Infelizmente não. A carga binária usa uma lógica muito especial para ler os dados já processados uma vez no QlikView em outro documento QlikView. A "descompactação" usada requer uma memória totalmente limpa, sendo esse o motivo pelo qual um comando Binary tem de ser o primeiro comando no script. Assim sendo, também é impossível usar um comando Binary mais de uma vez em um script. No entanto, você pode usar arquivos QVD para consolidar dados de vários documentos QlikView com a mesma rapidez do que com o Binary.

 

P: O único requisito para uma junção automática é que os nomes de campo sejam iguais?

A: Sim. Esse tipo de junção é denominado associação.

 

P: Posso obter uma junção automática entre dois campos com nomes diferentes?

A: Sim, mas é preciso renomear um dos campos no script, usando um comando ALIAS ou uma cláusula AS.

Consulte: Renomeando campos

 

P: Posso usar cláusulas Where, cláusulas Group By e outros elementos de sintaxe do tipo SQL nos arquivos de texto?

A: O QlikView oferece uma rica linguagem de script para arquivos de texto, incluindo grande parte da sintaxe SQL e diversos recursos adicionais.

 

P: Posso usar cláusulas Where, cláusulas Group By e outros elementos de sintaxe do tipo SQL nos arquivos binários do QlikView?

A: Não.

 

P: Qual a diferença entre uma associação entre tabelas internas, um comando load ou select precedido por um qualificador join e uma junção dentro de um comando select?

A: Uma associação é uma junção entre tabelas internas, avaliada quando você clica em um valor de campo no documento. O QlikView faz essa associação automaticamente quando duas tabelas diferentes têm um campo em comum. As duas últimas junções são feitas durante a execução do script e resultam em novas tabelas lógicas. Nesses casos, o QlikView não carrega as tabelas originais como tabelas lógicas.

Além disso, uma junção dentro de um comando select geralmente carregará apenas os registros cujo valor de campo chave pode ser encontrado nas duas tabelas (junção interna), enquanto as duas junções anteriores incluem também registros cujo valor de campo chave é encontrado somente em uma das tabelas (outer join completa).

 

P: Como carregar dados de arquivos de texto de registro fixo?

A: Use o assistente de arquivos de tabelas do QlikView.

Consulte: Assistente de Arquivo: Tipo e Assistente de Arquivo: Tipo - Registro Fixo

 

P: Posso atualizar um documento QlikView carregando somente os dados que foram modificados?

A: Sim, usando recargas incrementais.

Consulte: Arquivos QVD

 

P: Posso ler tabelas de páginas Web no QlikView?

A: Sim, use o assistente de arquivos de tabelas para extrair tabelas codificadas em HTML. Se a página HTML não contiver tags de tabela bem formatados, ainda poderá extrair dados usando, por exemplo, as funções subfield e textbetween do script.

Consulte: Assistente de Arquivo: Tipo - HTML

Lógica do QlikView

P: Por que é impossível a exibição de frequência em algumas listas?

A: A lista na qual ocorre esse problema contém um campo comum a mais de uma tabela interna. Por isso, é impossível para o QlikView saber como calcular a frequência e outras entidades estatísticas do campo. Também é possível resolver o problema carregando o campo mais uma vez a partir de sua tabela principal (na qual a frequência deve ser mostrada), mas com um novo nome, e mostrando na lista a frequência desse campo. Ao usar o recurso do rótulo, o usuário final nem perceberá o truque.

 

P: Por que aparecem na minha caixa de estatísticas vários avisos de indisponível (n/a)?

A: A caixa de estatísticas contém um campo comum a mais de uma tabela interna. Consulte a resposta à pergunta anterior.

 

P: Por que o QlikView não me permite usar um determinado campo em uma expressão de gráfico?

A: O campo é comum a mais de uma tabela interna. Consulte as respostas às duas perguntas anteriores.

 

P: O que fazer para que o número de valores distintos seja exibido na caixa de estatísticas?

A: Use a cláusula distinct nos comandos load / select.

 

P: Quando a opção do modo AND é habilitada na caixa de diálogo Propriedades da Lista?

A: A opção do modo AND somente é permitida sob condições bastante rigorosas, impostas pela teoria por trás da lógica do QlikView. Para ser usado no modo AND, o campo deve:

- existir em apenas uma tabela interna,

- ser o segundo de apenas dois campos na tabela e

- não conter registros duplicados.

- deve ser seguido por um qualificador distinct.

 

P: Posso combinar as lógicas AND e OR para seleções de valores em uma lista?

A: Não, a lógica QlikView proíbe isso.

 

P: Posso ter a lógica OR entre listas?

A: Apenas indiretamente. Uma alternativa avançada é usar vínculos semânticos para transferir seleções feitas em uma lista para outro campo. Em seguida, altere as seleções na caixa original e clique no vínculo semântico, pressionando a tecla Ctrl, para obter a lógica OR entre as duas seleções. O resultado final poderá ser transferido por meio da reversão do vínculo semântico.

 

P: É possível vincular mais de um arquivo de informações a um valor; por exemplo, uma imagem e um arquivo de texto?

A: Sim, mas somente quando forem usadas duplicatas do campo. Cada campo no QlikView pode ser vinculado a apenas um arquivo de informações.

 

P: Por que '002', '02' e '2', por exemplo, são, às vezes, interpretados pelo QlikView como sendo o mesmo valor?

A: Todos os valores do exemplo compartilham o mesmo valor numérico no QlikView. Como regra geral, o QlikView tentará fazer uma interpretação numérica de qualquer dado. Se a interpretação numérica for possível, será usada para a associação. Se você usar a função de interpretação text() em um campo no script, no entanto, os valores serão tratados estritamente como valores de texto. Os valores do exemplo apresentado serão, então, interpretados como três valores distintos.

 

P: O que é um loop ou estrutura de tabela circular?

A: Quando é possível seguir as associações de campos em um círculo interminável por meio da estrutura de tabelas, isso é denominado loop. Outra forma de descrever o fenômeno é que há duas ou mais rotas distintas na estrutura de tabelas, entre dois campos específicos. As referências circulares devem ser evitadas o máximo possível, já que podem causar ambiguidades na forma de interpretação dos dados. Em muitos casos, as referências circulares resultam de uma base de dados mal projetada, mas em outros casos, podem ser inevitáveis. O QlikView emitirá um aviso se encontrar um loop ao executar o script e obrigará você a resolver o problema, com a ajuda das tabelas parcialmente desconectadas.

Consulte: Entendendo as referências circulares

Layout

P: Por que os objetos de pasta sem título não podem ser ajustados na parte superior?

A: Quando você desativar o título de um objeto de pasta, a borda superior somente poderá ser usada para movê-lo. Use os cantos superiores para ajustá-lo.

 

P: Por que não consigo expandir a tabela para a direita quando tento arrastar a borda?

A: Há duas alças na borda direita de uma tabela. Se você arrastar a borda de uma tabela, ajustará os limites externos do que pode ser mostrado na tabela. No entanto, não é possível tornar a moldura externa maior do que a soma das larguras de todas as colunas da tabela. O dimensionamento da coluna mais à direita é feito colocando o cursor exatamente à esquerda da borda externa. Verifique se a moldura externa não está situada no meio da coluna. Se for esse o caso, use a barra de rolagem para posicionar a borda direita da coluna na moldura externa. Use a grade de desenho para visualizar a moldura externa real de um objeto de pasta.

 

P: Posso alterar o nome de um campo em objetos de pasta em um documento QlikView?

A: Sim, você pode definir um rótulo para cada campo em cada objeto de pasta.

 

P: Que objetos de pasta podem ser minimizados?

A: Todos os tipos de objeto de pasta podem ser minimizados, mas a opção é definida como desativada, por padrão, para objetos de pasta como botões, objetos de texto e objetos de linha/seta.

 

P: Posso mover objetos minimizados na pasta?

A: Sim, eles podem ser movidos livremente e posicionados em qualquer parte da pasta, e também ajustados dentro de determinados limites.

Compartilhando Documentos QlikView com Outras Pessoas

P: Posso colocar meu documento QlikView em um servidor e compartilhá-lo com outras pessoas?

A: Sim, desde que os destinatários possuam uma licença registrada do QlikView e acesso ao diretório do servidor.

 

P: Posso usar o QlikView efetivamente no modo cliente/servidor?

A: Sim, você precisará do QlikView Server.

 

P: Posso colocar meu documento como um link em uma página Web e permitir que outros tenham acesso a ele pela Internet?

A: Sim, desde que os destinatários possuam uma licença registrada do QlikView e acesso à página Web.

 

P: Posso enviar meu documento a outras pessoas por e-mail?

A: Sim, desde que os destinatários possuam uma licença registrada do QlikView.

 

P: Posso impedir que algumas pessoas usem meu documento?

A: Sim, usando "Seção de Acesso" para definir quem pode usar o documento.

Consulte: Section e Assistente de Tabelas de Restrição de Acesso

 

P: Posso impedir que outras pessoas visualizem/alterem o script?

A: Sim, a "Seção de Acesso" pode conceder a algumas pessoas acesso em nível ADMIN, mantendo outras pessoas sem acesso ao script, no nível de USUÁRIO.

Consulte: Segurança

 

P: Onde devo armazenar informações sobre direitos de acesso?

A: É possível armazenar informações como um arquivo de texto em uma unidade protegida ou como uma tabela em uma base de dados. Também é possível armazená-las como um comando inline no script.

Consulte: Assistente para Dados Inline

 

P: Existe uma forma automatizada de criar cópias personalizadas para um grupo grande de usuários?

A: Sim. Você precisará do QlikView Publisher, que é um módulo complementar do QlikView Server.